Esporte

Lance Notícias | 24/08/2022 18:12

24/08/2022 18:12

32541 visualizações

Gêmeos xaxinenses se dedicam ao esporte desde a infância e hoje jogam em times profissionais

Os gêmeos João Henrique Lenger e Luiz Felipe Lenger, de 18 anos se dedicam ao esporte desde a infância. Eles contam que tudo começou por incentivo dos pais, que pediam para que os meninos praticassem alguma atividade física, mas com o passar do tempo os jovens foram se destacando e começaram a participar de torneios. […]

Gêmeos xaxinenses se dedicam ao esporte desde a infância e hoje jogam em times profissionais

Os gêmeos João Henrique Lenger e Luiz Felipe Lenger, de 18 anos se dedicam ao esporte desde a infância. Eles contam que tudo começou por incentivo dos pais, que pediam para que os meninos praticassem alguma atividade física, mas com o passar do tempo os jovens foram se destacando e começaram a participar de torneios.

— Com nove anos já nos chamavam por meio do Professor Avelane, para jogar torneios por equipes de outras cidades, jogamos pelo Genoma Colorado (Chapecó e Maravilha), Guarany de Xaxim, Polo Furacão (Athletico Paranaense) de Treze Tílias – SC, Grêmio Golaço de Faxinal dos Guedes SC (escola credenciada do Grêmio FBPA RS).

Hoje João joga para o Concórdia Atlético Clube e Luiz para o Ypiranga Futebol Clube, de Erechim RS. Ao longo desses quase 15 anos foram inúmeras competições, mas os meninos foram destaque em três delas:

– 2016 – Sub-11 – Campeões da Copa Tricolor de Categorias de Base do Grêmio FBPA, representando a Grêmio Golaço de Faxinal dos Guedes – SC, que até então foi a primeira Escola credenciada do Grêmio que ganhou o título não sendo de uma capital.

– 2017 – Sub-13 – 4º Lugar na Copa Furacão de Categorias de Base do Athlético PR, representando o Polo Treze Tilias – SC.

– 2020 – Sub-17 – Campeões da Copa Maravilha de Categorias de Base, pelo Guarany de Xaxim SC. Vale destacar que é um dos torneios mais importantes de base do sul do país, com equipes de vários estados e até da Argentina e Paraguai.

Sobre a rotina

— A rotina do jogador não é fácil, não é só técnica, necessita de foco, dedicação, persistência. Nós fomos aprovados em outros clubes, mas a pandemia e os lock downs foram prorrogando esse sonho, mas não desistimos, e continuamos mantendo o foco na saúde do corpo, e sempre cuidando da alimentação, atleta precisa de alimentação saudável, afinal o corpo é o nosso instrumento de trabalho — falam.

Hoje, João e Luiz estão registrados na CBF como atletas em seus clubes, e eles seguem no mesmo foco.

Saudade de casa

— Às vezes não é fácil, a família longe, não podemos estar juntos em datas importantes, a saudade aperta, mas é o que decidimos fazer. Nossos pais desde as primeiras competições sempre fizeram o possível para estarem presentes e nos apoiam de todas as formas, então, mesmo a distância, sabemos que podemos contar com eles sempre, e isso faz bastante diferença — declaram.

Para os pais Jovane Cristina de Oliveira Lenger e Claudio Luiz Lenger a saudade bate, a tristeza de ver os quartos e a casa vazios, o silêncio na casa.

— Mas o orgulho é gigante e transborda sempre que falamos deles. O melhor de tudo é saber que eles estão fazendo o que gostam. Já faz um ano que eles não moram conosco, e notamos que tudo vale a pena, o amadurecimento intelectual deles, o convívio com atletas e profissionais de outros estados, as viagens, tudo é um aprendizado constante, são experiências e lembranças que levarão para suas vidas. E quando não podemos estar juntos, o WhatsApp nos ajuda a matar um pouquinho da saudade — finalizam.

Deixe seu comentário