Polícia

Maicon Fiuza | 10/09/2022 10:00

10/09/2022 10:00

6580 visualizações

Polícia Civil de Santa Catarina, cumpre mandado de prisão em desfavor de investigada na “Operação Imperadores”

Polícia Civil de Santa Catarina, cumpre mandado de prisão em desfavor de investigada na “Operação Imperadores”

Agentes da DIC e da CPP de Chapecó deram cumprimento, na tarde desta sexta-feira (9/9), a mandado de prisão preventiva expedido em desfavor de uma acusada pela prática de tráfico interestadual de drogas ilícitas, posse irregular de munições e associação criminosa. A mulher, de 46 anos, vinha respondendo a ação penal, desde julho deste ano, em prisão domiciliar. Contudo, após recurso do Ministério Público Estadual, o Tribunal de Justiça decidiu pelo retorno da acusada ao Presídio de Chapecó. Assim é que, nesta tarde, policiais da DIC realizaram diligências a fim de localizar a acusada, que acabou se apresentando à autoridade policial da CPP de Chapecó. Em seguida, a mulher foi encaminhada ao Presídio de Chapecó, onde permanecerá enquanto aguarda a sentença da ação penal.

RELEMBRE O CASO

Por meio de investigação denominada Operação “Imperadores”, a Divisão de Investigação Criminal de Chapecó identificou dois indivíduos, um homem de 48 anos e uma mulher, advogada de 46 anos, responsáveis pela maior parte da cocaína distribuída no interior de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. A investigação iniciou em julho de 2021, quando um terceiro indivíduo foi preso em flagrante transportando 76 quilos de cocaína, que renderiam cerca de R$ 3.500.000,00 (três milhões e quinhentos mil reais), de Foz do Iguaçu/PR para Chapecó/SC. A partir de então, a DIC de Chapecó passou a investigar todas as circunstâncias de tal atividade criminosa, logrando identificar os proprietários da grande quantidade de droga apreendida: o homem e a mulher.

Na primeira fase da operação, os investigados foram presos preventivamente em 21/2/22. Já nas diligências realizadas na segunda fase da operação, em 22/3/22, foram apreendidas drogas e munições, além de novas provas das práticas criminosas atribuídas ao casal.

Em seguida, o inquérito policial foi concluído e encaminhado ao Ministério Público, que denunciou os dois indivíduos. Ambos vinham respondendo presos a ação penal até julho, quando a mulher obteve o direito à prisão domiciliar (agora revogada pelo TJSC, que determinou o retorno da acusada ao presídio).

O nome da Operação “Imperadores” é uma referência à posição conquistada pelos investigados no tráfico de cocaína na região oeste. A apreensão de 76 quilos da droga, avaliados em mais de três milhões e quinhentos mil reais, demonstra o enorme poder conquistado pelos dois. Ainda, o nome faz alusão a outra investigação realizada contra o mesmo casal, no ano de 2006, pela Polícia Federal, ocasião em que também foram presos pelo tráfico de 7 quilos de cocaína. A operação da Polícia Federal recebeu o nome “Imperador”, pois, já naquela época, o investigado era tido como um dos principais fornecedores da droga.

Colabore com a Polícia Civil. Denuncie! Disque 181 ou acesse www.policiacivil.sc.gov.br.

Deixe seu comentário