Comunidade

Lance Notícias | 12/08/2022 18:49

12/08/2022 18:49

15966 visualizações

Xaxinense se dedica a produção de doces e salgados há dez anos

Simone Valquiria Bertocchi trabalhou 14 anos em uma cooperativa da região. Quando estava grávida de seu terceiro filho, Simone acabou ficando desempregada e teve a ideia de começar a fazer agnolines para sustentar sua família. Depois de um tempo, Simone também começou a fazer doces e salgados, isso porque na época, não tinha condições de […]

Xaxinense se dedica a produção de doces e salgados há dez anos

Simone Valquiria Bertocchi trabalhou 14 anos em uma cooperativa da região. Quando estava grávida de seu terceiro filho, Simone acabou ficando desempregada e teve a ideia de começar a fazer agnolines para sustentar sua família.

Depois de um tempo, Simone também começou a fazer doces e salgados, isso porque na época, não tinha condições de pagar as festas de aniversário para seus três filhos.

— Então eu fazia os doces, os salgados e o bolo. Eu não sabia fazer direito, mas fazia. Nunca fiz um curso, mas meus degustadores eram os meus filhos e eles que diziam se era bom ou não— conta Simone, rindo.

Quando foi morar em Chapecó, a igreja que Simone frequentava tinha cantina. Simone conta que um dia teve trufas na cantina para venda e ela resolveu comprar.

— Eu comprei e não gostei. Pensei: “Eu posso fazer melhor” — diz.

Depois desse episódio, Simone deu início a sua produção de trufas. A venda era feita por encomenda e Simone mandava entregar. Incentivada pelos filhos que diziam que seus docinhos eram bons, ela decidiu fazer também docinhos para festas.

Depois de ter morado em Chapecó e ter tido experiências com agnolines e trufas, Simone retornou à Xaxim e continuou com os docinhos, até que um dia uma cliente lhe pediu para fazer salgados também.

— Eu achava que não conseguiria fazer doces e salgados, mas incentivada por uma amiga que me disse ” você consegue”, eu fiz os doces e os salgados pra essa festa e aí dei início o boca a boca e a minha clientela começou aumentar— comenta.

Já são mais de dez anos que Simone vive do que gosta de fazer, que é comida e nos conta qual é o seu selo de qualidade.

— Meu trabalho é simples, mas feito com muito amor. Faço sempre como fosse fazer pra Deus. Penso assim cada vez que faço algo: “Serviria isso pra Deus?” Se a resposta for positiva, então posso entregar pra meu cliente— finaliza.

Deixe seu comentário