Ministério Público

Maicon Fiuza | 20/08/2022 16:11

20/08/2022 16:11

7836 visualizações

Em Chapecó, Tribunal do Júri atende pedido do MPSC e casal é condenado por matar homem afogado no rio Irani

O casal que amarrou os braços e pés de Carlos Roberto Crivone e o jogou vivo num rio foi julgado pelo Tribunal do Júri de Chapecó. Os jurados acolheram a tese apresentada pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) e os condenaram por homicídio duplamente qualificado por asfixia e recurso que dificultou a defesa da […]

Em Chapecó, Tribunal do Júri atende pedido do MPSC e casal é condenado por matar homem afogado no rio Irani

O casal que amarrou os braços e pés de Carlos Roberto Crivone e o jogou vivo num rio foi julgado pelo Tribunal do Júri de Chapecó. Os jurados acolheram a tese apresentada pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) e os condenaram por homicídio duplamente qualificado por asfixia e recurso que dificultou a defesa da vítima. Adriano Custódio de Oliveira terá de cumprir 22 anos e oito meses de reclusão e Silvete Rosário 14 anos, ambos em regime fechado.

De acordo com a denúncia, entre os dias 19 e 24 de janeiro de 2018, por volta das 10 horas, a vítima foi até ponto de moto táxi onde trabalhava o réu Adriano, na Rua Paulo Marquês, esquina com a Rua Porto Alegre, em Chapecó. No momento houve uma discussão por uma dívida e os condenados investiram contra Carlos desferindo-lhe duas pauladas e, na sequência, com ele já desacordado, amarraram suas mãos e pés com fios de TV, e amordaçaram a sua boca com uma camiseta.

Com o objetivo de matar a vítima, os réus, utilizando uma camioneta, a colocaram na caçamba do veículo, enrolada numa capa de sofá. Eles foram até as proximidades da ponte do Rio Irani, na SC-283, sentido Chapecó/Seara, e jogaram Carlos no rio. No dia 24 de janeiro de 2018 foi encontrado o cadáver da vítima flutuando rente à margem do Rio Irani.

O Promotor de Justiça Marcos José Ferreira da Cruz representou o MPSC na sessão que ocorreu na última quinta-feira (18/8). A sentença é passível de recurso.

Deixe seu comentário