Variedades

Lance Notícias | 17/06/2022 12:00

17/06/2022 12:00

10837 visualizações

Natural de Xaxim, jovem se casa com fuzileiro e constrói família nos EUA

Camila Carraro tem 26 anos, é natural de Xaxim, é casada com fuzileiro e tem uma filha. Camila estava no último ano da faculdade de Engenharia Civil, quando percebeu que não tinha certeza se gostaria de atuar na área. Durante o curso, ela participou de várias pesquisas e chegou à conclusão de que precisava melhorar […]

Natural de Xaxim, jovem se casa com fuzileiro e constrói família nos EUA Fotos: Arquivo pessoal

Camila Carraro tem 26 anos, é natural de Xaxim, é casada com fuzileiro e tem uma filha. Camila estava no último ano da faculdade de Engenharia Civil, quando percebeu que não tinha certeza se gostaria de atuar na área. Durante o curso, ela participou de várias pesquisas e chegou à conclusão de que precisava melhorar o inglês para então cursar o mestrado.

Hoje, Camila mora fora do país, e durante entrevista para a jornalista do Lance Notícias, ela contou que em junho de 2018 decidiu passar um tempo fora do Brasil para estudar inglês.

— Fiz meu passaporte e decidi usar o dinheiro da formatura para investir em um intercâmbio. O que eu escolhi é chamado Au Pair. Esse é um intercâmbio de trabalho/estudo que te permite ficar até dois anos nos EUA. Você mora com uma família americana, ajuda a cuidar das crianças e pode estudar ao mesmo tempo — conta.

Em fevereiro de 2019, Camila saiu do Brasil com destino a Nova Iorque, onde ficou uma semana em treinamento antes de ir morar com a família que ela havia escolhido.

— Eles moravam em Washington, D.C., a capital dos EUA. Eles eram judeus e tinham cinco filhos. Todos eles falavam inglês e hebraico e eu aprendi várias coisas sobre a cultura judia enquanto estive com eles— comenta.

A xaxinense conta que nunca havia passado pela sua cabeça a ideia de ficar morando nos EUA depois do intercâmbio.

— Sempre fui muito apegada na minha família e sabia que iria sofrer demais longe deles. Porém, alguns meses depois que eu cheguei nos EUA eu conheci o Stephen e tudo mudou. Depois de oito meses morando com a família americana eu saí do programa de Au Pair para morar com o Stephen. Nós já estávamos casados no civil, e depois de alguns meses morando juntos fizemos a celebração do casamento na Flórida, estado onde a família do Stephen mora—diz.

Em março de 2020, na mesma semana em que o país entrou em lockdown, Emmie, a filha do casal, nasceu no hospital militar em Maryland.

— Esse mês ela completa dois anos e já fala algumas palavras nos dois idiomas. O Stephen só fala em inglês, então eu tento falar só em português com ela, assim ela tem contato diário com os dois idiomas. Ela entende tudo o que a gente fala com ela, tanto em português como em inglês— explica.

Camila conta que ela está morando fora do país já faz três anos, mas a família do Brasil ainda não conseguiu visita-la devido a dificuldade para fazer o visto. Por isso, durante esse período que ela está fora, procura visitar o Brasil com a filha pelo menos uma vez ao ano.

— Já fazem três anos que eu estou aqui e minha família nunca veio para cá. Meu pais tentaram fazer o visto de turismo em 2019, mas foi negado. Talvez no futuro eles tentem novamente. Eu quero muito mostrar para eles um pouco desse país que eu aprendi a amar e que hoje chamo de casa. Nesses três anos eu já visitei minha família no Brasil três vezes. A Emmie sempre foi comigo e o Stephen foi uma vez também. O Stephen faz parte das forças armadas e precisa de uma licença especial para sair do país—relata.

Hoje Camila é professora de inglês, ela ministra aulas de inglês on-line para brasileiros que sonham em viajar para fora do país.

— Eu mostro a minha rotina, compartilho dicas de inglês e curiosidades sobre os EUA no meu perfil do Instagram (@carrarocg)— diz.

Atualmente Camila e a família moram na Virginia, mas devido a profissão do esposo, em breve irão mudar para a Califórnia.

—Hoje nós moramos na Virginia, mas vamos nos mudar para a Califórnia em junho. O Stephen é fuzileiro há nove anos e nos mudamos de uma base militar para outra frequentemente. Eu particularmente adoro, porque nos permite conhecer pessoas e lugares novos— finaliza.

Deixe seu comentário