Lance Notícias | 18/09/2022 16:00

18/09/2022 16:00

15502 visualizações

Diário da Pandemia – 912º dia:

Enfim, já completei um mês de volta à minha atividade profissional central, às lidas de professor. Apesar de ter sido um período meio turbulento, a confiança é de que, daqui pra frente, tudo vá melhorando, sempre na fé em Deus. E a semana terminou com fisioterapia e academia (cada uma em seu dia respectivo), além do momento de entrega de boletins, aos pais, na escola. Agora, neste fim de semana, será possível relaxar um pouco, em virtude das atividades previamente planejadas para ele. E que Deus (sempre) nos acompanhe!

Por falar em planejar atividades, durante toda a minha vida, sempre antecipei ações, com o seu devido planejamento. Por isso, defendo, “com unhas e dentes”, que “os projetos devem sair do papel”.

Quantas vezes já não ouvimos alguém dizer que já está “velho” demais para realizar certas atividades que gostaria? E que, inclusive, sente-se arrependido de não tê-las feito no momento devido?

É por isso que nossos projetos devem sair do papel e tornar-se realidade. Considerando que não sabemos, efetivamente, quanto “tempo nos resta” nesta vida, precisamos tornar nossos sonhos em prática o quanto antes.

Apesar de já ter realizado muitos projetos pessoais, e ainda não estando em idade avançada, pretendo, com certeza, efetivar, nos próximos meses, muitos outros. Segredo! Sim, virei adepto (nos últimos tempos) de só contar “quem foi o santo” depois de “o milagre ter sido realizado”.

Afinal de contas, o papel deve ser somente o pontapé de nossas realizações. Todo projeto, por menor que possa originalmente parecer, merece nossa dedicação e compromisso. Assim, sentir-nos-emos felizes e prontos para novos desafios, o que ressignificará constantemente a nossa vida!

E você, costuma tirar seus projetos do papel?

Fechando a semana, mais uma boa sugestão de leitura: “Em conflito” (Ian Leslie). Segundo o autor, saber conflitar é importante para o desenvolvimento das relações humanas. Assim, em um mundo cada vez mais polarizado, ele sugere que a melhor forma de união é aprender com os que dominam a ciência e a arte da discordância.

Bom final de semana!

Deixe seu comentário